Confira as nossas newsletters Galeria de vídeos

Cotação

0 items

Busca no site

Notícias

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Atento sofre ataque cibernético

A Atento, uma das maiores empresas de contact center e terceirização de processos de negócios (BPO, na sigla em inglês) do mundo, sofreu um ataque cibernético em seus sistemas no Brasil na manhã de domingo, 17.

De acordo com o site NeoFeed, a companhia enviou um comunicado aos seus clientes informando o incidente e afirmando que "implementou imediatamente todos os protocolos de segurança cibernética ao seu alcance para conter e avaliar a ameaça".

Para evitar maiores riscos, muitas operações teriam sido retiradas do ar e, até agora, não haveria nenhuma evidência de que os dados dos clientes foram vazados.

"Continuamos trabalhando para restaurar o serviço aos nossos clientes o mais rápido possível", afirmou a empresa no comunicado.

Até a publicação desta notícia, a companhia não havia divulgado a informação em seu site, que parece funcionar normalmente, nem aberto mais detalhes sobre a natureza ou extensão do ataque.

Fundada em 1999, a Atento está listada na bolsa de Nova York e é avaliada em US$ 415 milhões. Com operações em 14 países e 150 mil funcionários, a companhia conta com mais de 400 clientes no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Espanha.

O Brasil representa cerca da metade do faturamento da Atento, que em 2020 faturou US$ 1,4 bilhão, baixa de 2,8% em comparação com o ano anterior. A empresa vem de um período de quedas de receita. Em 2014, o faturamento foi de US$ 2,2 bilhões.

No país, a Atento atende clientes como Vivo e bancos.

Os ataques cibernéticos têm sido um assunto frequente tanto em empresas quanto em órgãos públicos brasileiros. Os episódios se sucedem num ritmo quase semanal.

Só nos últimos meses, grandes companhias como Porto Seguro, CVC, Lojas Renner, Accenture, JBS, Grupo Fleury e Grupo Moura foram atacadas, assim como o Ministério da Economia, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, a Eletrobras e a Companhia Paranaense de Energia (Copel).

Fonte: BAGUETE

Voltar