Confira as nossas newsletters Galeria de vídeos

Cotação

0 items

Busca no site

Notícias

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Computador quântico para uso comercial

A IBM prevê entregar até 2025 um computador quântico para uso comercial com mais de 4.000 qubits, o que representa um considerável avanço em relação ao seu hardware atual de 127 qubits. A informação foi divulgada pelo presidente-executivo da companhia, Arvind Krishna. Segundo ele, a tecnologia poderá otimizar as frotas de caminhões de roteamento ou atuar para melhoria da modelagem dos riscos financeiros. "Um computador normal quase 'do tamanho deste planeta' seria necessário para resolver problemas comparáveis", disse Krishna.

Avanço exponencial
Apesar de terem consciência do potencial da computação quântica, poucas empresas têm exemplos de utilidade por meio da tecnologia, principalmente com os clientes iniciais. As soluções da IBM incluem Exxon Mobil e Mitsubishi Chemical.

Krishna afirmou que a empresa está trabalhando com esforços de várias vertentes para cumprir o prazo, ao contrário do que aconteceu com os serviços de inteligência artificial Watson, que tiveram atrasos na apresentação dos resultados em relação ao que foi prometido.

"Podemos ter exagerado em algumas coisas", disse ele. "Desta vez, tentamos seguir a linha com cuidado", prometeu em tom de cautela.

Oportunidades práticas e comerciais
De acordo com o executivo da IBM, a máquina prevista para 2025 vai abrir oportunidades práticas e comerciais. Além da IBM, muitas outras empresas e governos estão investindo na computação quântica. A expectativa é de quase US$ 16,4 bilhões em desenvolvimento quântico até o fim de 2027, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado IDC.

Krishna disse que, embora as interrupções na cadeia de suprimentos não tenham retardado os esforços da IBM, a empresa teve um impacto de 0,5% a 1% em seus negócios de hardware devido aos lockdowns na China.

Para combater interrupções na cadeia produtiva, a IBM mantém seis meses de estoque em vez de apenas um, como fazia antes da pandemia.

Fonte: OLHAR DIGITAL

Voltar